segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Blá-blé-bli-bló-blog

Texto: Enio Moraes Júnior
Imagem: tangaslesbicas.wordpress.com



As atuais tecnologias e suas ferramentas são instrumentos eficazes no processo ensino-aprendizagem. Precisamos apenas aprender esta e outras lições...


Quando Gutenberg criou os tipos móveis no século XV nem de longe imaginava que um dia redimensionaríamos seu invento e o transformaríamos em fluidas letras que acenam nas telas dos computadores. Embora muito já tenhamos escrito e lido sobre a aplicação das tecnologias informacionais e comunicacionais na educação e a utilização da blogosfera nesse contexto, por mais que professores venham fazendo, junto com os seus alunos, experimentações nesse sentido, cada experiência, em cada realidade escolar, traz resultados diferentes. Algumas vezes são respostas muito positivas no processo ensino-aprendizagem, outras vezes, nem tanto. Em todo caso, sempre são aprendizados.
O fato é que há algum tempo vêm sendo realizadas experiências nessa área e, na maior parte das vezes, são confirmadas as vantagens dessas incursões. Do ponto de vista didático, tem chamado atenção a dinamização da relação professor-aluno via e-mail e Orkut e a diversidade de fontes de informação que essas tecnologias, sobretudo a internet, oferecem para pesquisas de docentes e discentes.

O que é um BLOG? from iGovSP on Vimeo.


Foco no estudante - Especialmente no caso dos estudantes do ensino fundamental e médio, esse tipo de experiência tem feito eco ao pensamento de Carl Rogers (1973) ao falar do ensino centrado no estudante e em seu universo. Como informa uma reportagem do jornal Folha de S. Paulo, “para conseguirem a atenção das crianças, instituições de ensino se adaptam à realidade do seu público-alvo, acostumado, desde cedo, a ter acesso a ferramentas tecnológicas”. Com isso, os alunos têm demonstrado maior entusiasmo para as aulas e, de quebra, os pais podem acompanhar pela rede a produção dos filhos.
Os cursos de graduação também têm investido pesado nas tecnologias. Mas a grande surpresa é ver como elas repercutem nos cursos de pós-graduação para professores, embora caibam – especialmente nesses casos – considerar que há também desvantagens na utilização dessas tecnologias em sala de aula.
As experiências têm mostrado que as tecnologias têm afastado os alunos do contato físico entre eles nos trabalhos em grupo e, eventualmente, estimulado a dispersão e a desatenção em relação ao que lhe é solicitado, já que o e-mail do colega ou do professor pode compensar seu descuido. No âmbito avaliativo, o maior problema é a “ciber-cola”: uma sondagem apressada em sites de busca como o Google ou o Yahoo! e pronto: eis o trabalho a ser entregue ao professor.
No entanto, o uso das tecnologias em sala de aula é uma conseqüência da sua presença no cotidiano. Parodiando McLuhan (1964), que nos anos 60 disse que “os meios de comunicação são extensões do homem”, considero a presença das tecnologias no processo ensino-aprendizagem é uma conseqüência do seu uso na vida fora da sala de aula. Sendo assim, é difícil fugir desse paradigma, mesmo que seja para questioná-lo e tentar entender o tipo de mundo que estamos criando.
Buscando exatamente essa reflexão, realizei há pouco menos de um ano algumas experiências com alunos de cursos de graduação e de pós-graduação de escolas de São Paulo. Nesses espaços temos elaborado trabalhos com tecnologias e suportes digitais: blogs, fotos e vídeos a serem disponibilizados na internet. De forma geral, a experiência revelou-se extremamente grata tanto para mim como para os alunos.

Tutorial BLOG passo a passo from iGovSP on Vimeo.


Blogs e cia. - Estamos caminhando e ainda aprendendo, diga-se de passagem, da forma como eu realmente acho que deve funcionar o processo ensino-aprendizagem: eu e eles, eu com eles e eles comigo. Mas de uma coisa acho que podemos ficar certos: criar um blogs não é tão simples quanto se pensa.
Ter o mouse na mão é o mais fácil. A idéia na cabeça não é tão difícil... O grande desafio para criar e manter um blog, acho que quanto a isso eu e os meus alunos temos um consenso, é ter repertório para articular as diferentes idéias em nome daquilo que costumamos denominar “produção do conhecimento”. Nesse desafio a internet, os blogs, os fotologs e os videologs são apenas instrumentos.
Castells (2003), ao falar sobre tecnologias e educação, observa que a divisão social promovida pela internet não é aquela entre quem tem e quem não tem acesso a ela, mas entre aqueles que têm condições de utilizar o conhecimento que ela disponibiliza para “aprender a aprender” e aqueles que não o têm. Portanto, ter um blog ou afim pode realmente ser uma grande brincadeira disponibilizada a partir das tecnologias que hoje nos rodeiam, mas pode ser também um espaço muito sério para conhecer e produzir conhecimento, que é, enfim, o objetivo de qualquer bom projeto educacional.
A novidade trazida pela aplicação das tecnologias em sala de aula não é o seu uso e ou os seus suportes, mas o que podemos aprender e construir com suas ferramentas. Se conseguirmos utilizá-las para refletir e discutir sobre um mundo melhor, mais justo e ambientalmente sustentável, utilizando-as como meios de “aprender a aprender”, estaremos num caminho coerente.
Utilizar as tecnologias que estão tecnicamente disponíveis no cotidiano e trabalhá-las em sala de aula como um estímulo à reflexão, à criação e à humanização é, certamente, um dos caminhos para possibilitar a educação e o aprimoramento das ferramentas para a construção desse futuro. Redimensionando o invento que Gutenberg desenvolveu há muitos séculos, estamos – eu e meus alunos – nos arriscando em novas descobertas e dúvidas, mas aprendendo. Entre erros a acertos compartilhamos as nossas tentativas de aprender o bê-a-bá... Ou melhor: o blá-blé-bli e bló dos blogs! E isso é educação.

Referências bibliográficas
ARRAIS, Daniela. Escolas usam games e blogs para ensinar. Folha On Line. São Paulo, 30 de agosto de 2008. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/folha/informatica/ult124u439546.shtml. Acessado em: 30 de setembro de 2008.
CASTELLS, Manuel. Sociedade em Rede. IN: MORAES, Denis de (org). Por uma outra comunicação. Rio de Janeiro: Record, 2003.
CONTINUUM: Revista do Itaú Cultural: Histórias de Deslocamentos. São Paulo, 15 de outubro de 2008. Disponível em: http://www.itaucultural.org.br/bcodemidias/000915.pdf. Acesso em: 20 de outubro de 2008.
McLUHAN, Marshall. Os meios de comunicação como extensões do homem. São Paulo: Cultrix, 1964.
ROGERS, Carl R. Tornar-se Pessoa. Lisboa: Moraes Editores (Martins Fontes), 1973.

15 comentários:

Marcel Agarie disse...

Grande Professor... passo aqui para deixar um alô e agradecer pelos anos de aprendizado. Estou bem, com 2 jornais caminhando e algumas assessorias. Qualquer dia passo pela faculdade para dar um abraço!
Marcel Agarie!
Acesse nosso blog: www.daliacomunicacao.blogspot.com

Maurício Canuto disse...

Enio, qdo puder acesse este blog: http://psicoinformaticaeducativa.blogspot.com/

Valéria disse...

Caro Enio, hoje está dificil dizer se toda essa tecnologia, a qual estamos mais q adaptados de fato é boa. Qdo se fala de informação encontramos tudo apenas com um clique numa busca rápida no google, com isso somos super informados. Entretanto, nossa informação é apenas um "navio" superficial sobre todos os acontecimentos, mal sabemos ir a fundo em um determinado assunto, em outras palavras estamos longes de sermos submarinos, como escreveu em seu artigo, Alexandre Freire (consultor sênior do Instituto MVC e professor dos MBAs Executivos da FGV).

Hoje estou lendo A Comunicação, de Lucien Sfez, e chega ser triste qdo somos obrigados a nos deparar com a realidade; pior aceita-la. Vivemos numa sociedade que ñ sabe se comunicar. "Atualmente, perdemos a pista desses princípios primeiros, que assegurava a coesão de conjunto: dispersão, emaranhamentos, superposições, cruzamentos. Babel. Fala-se cada vez mais, entende-se cada vez menos....é no vaio deixado por sua falência que nasce a comunicação, como desesperado empreendimento p/ ligar análises especializadas, meios extremamente estanques. Como uma nova teologia, a teologia dos tempos modernos, fruto da confusão de valores e de fragmentações impostas pela tecnologia", (2007, pags. 12 e 13). Notamos que a cada dia nos comunicamos mais por meio da internet e estamos perdendo o "prazer"; ñ achamos tempo para aqueles bate papos em barzinhos c/ amigos; reuniões familiares e nossas crianças nem sabem o q significa "brincar na rua"...vejo como uma grande incognita nosso futuro e precisamente dificil dizer se toda "essa informação de rede", como diz Castells (A sociedade em rede) vai nos levar em algum lugar; visto que nossos conceitos se perdem em Natureza e Cultura, isso é...temos, ainda um conceito??!

Parabéns pelo post!! Seus assuntos são gostosos e reflexivos para comentar.
Abraços,
Valéria

Valéria disse...

Caro Enio, hoje está difícil dizer se toda essa tecnologia, a qual estamos mais q adaptados de fato é boa. Qdo se fala de informação encontramos tudo apenas com um clique numa busca rápida no google, com isso somos super informados. Entretanto, nossa informação é apenas um "navio" superficial sobre todos os acontecimentos, mal sabemos ir a fundo em um determinado assunto, em outras palavras estamos longes de sermos submarinos, como escreveu em seu artigo, Alexandre Freire (consultor sênior do Instituto MVC e professor dos MBAs Executivos da FGV).

Hoje estou lendo A Comunicação, de Lucien Sfez, e chega ser triste qdo somos obrigados a nos deparar com a realidade; pior aceita-la. Vivemos numa sociedade que ñ sabe se comunicar. "Atualmente, perdemos a pista desses princípios primeiros, que assegurava a coesão de conjunto: dispersão, emaranhamentos, superposições, cruzamentos. Babel. Fala-se cada vez mais, entende-se cada vez menos....é no vaio deixado por sua falência que nasce a comunicação, como desesperado empreendimento p/ ligar análises especializadas, meios extremamente estanques. Como uma nova teologia, a teologia dos tempos modernos, fruto da confusão de valores e de fragmentações impostas pela tecnologia", (2007, pags. 12 e 13). Notamos que a cada dia nos comunicamos mais por meio da internet e estamos perdendo o "prazer"; ñ achamos tempo para aqueles bate papos em barzinhos c/ amigos; reuniões familiares e nossas crianças nem sabem o q significa "brincar na rua"...vejo como uma grande incógnita nosso futuro e precisamente difícil dizer se toda "essa informação de rede", como diz Castells (A sociedade em rede) vai nos levar em algum lugar; visto que nossos conceitos se perdem em Natureza e Cultura, isso é...temos, ainda um conceito??!

Parabéns pelo post!! Seus assuntos são gostosos e reflexivos para comentar.
Abraços,
Valéria

Lucy Alves disse...

Enio, seu blog é muito interessante e explicativo.Não tinha idéia de quanto o blog pode ser útil para comunicação entre as pessoas e a obtenção de informações.

LEYZE disse...

"As atuais tecnologias e suas ferramentas são instrumentos eficazes no processo ensino-aprendizagem. Precisamos apenas aprender esta e outras lições..."
Gostei muito de seu comentário, concordo que o uso da tecnologia é uma ferramenta eficaz no processo ensino-aprendizagem, é uma pena vivermos em outra realidade, onde as escolas públicas, ou pelo menos algumas delas,não têm se quer laboratório de informática.

Emilia Bueno disse...

Enio,achei muito interessante os assuntos tratados em seu blog,são de grande valia para quem esta interessado em se atualizar,além de ser uma maneira legal pra interagir e facilitar a aprendizagem.

Mila disse...

Enio,achei muito interessante os assuntos tratados em seu blog,são de grande valia para quem esta interessado em se atualizar,além de ser uma maneira legal pra se interagir e facilitar o aprendizado.

Anônimo disse...

Oi Enio,achei muito interessante toda a matéria, e como professora da rede pública,pretendo também criar um blog para complementar ainda mais minhas aulas!!!!
Muito obrigada pelas dicas,foram de grande importância!!!
Abraços!

Angela Navarro(pós graduação-Uninove)

walsodom disse...

Em primeiro lugsr quero parabenizá-lo pelo blog.
Infelizmente, a geração do século XXI está a cada perdendo o interesse em visitar bibliotecas para se fazer pesquisas ou até mesmo por curiosidade. Não posso negar que a Tecnologia nos ajuda e muito. Não falo isto apenas para se fazer pesquisar ou esclarecer algo, mas ela nos facilita a vida corrida que temos no dia-a-dia, como pagar uma conta, fazer uma compra, notícias, etc. Porém, não podemos ser escravos dela, temos que ser ponderáveis, por que se continuarmos assim, não teremos mais contatos com pessoas que não sejam da nossa casa. Aliás, isto já acontece em algumas residências, onde pais e filhos se enclausuram nos seus respectivos quartos ou escritório e ficam batendo papo virtualmente.

walsodom disse...

Enio,em primeiro lugar, quero parabenizá-lo pelo Blog.
Infelizmente, a geração do século XXI está a cada perdendo o interesse em visitar bibliotecas para se fazer pesquisas ou até mesmo por curiosidade. Não posso negar que a Tecnologia nos ajuda e muito. Não falo isto apenas para se fazer pesquisar ou esclarecer algo, mas ela nos facilita a vida corrida que temos no dia-a-dia, como pagar uma conta, fazer uma compra, notícias, etc. Porém, não podemos ser escravos dela, temos que ser ponderáveis, por que se continuarmos assim, não teremos mais contatos com pessoas que não sejam da nossa casa. Aliás, isto já acontece em algumas residências, onde pais e filhos se enclausuram nos seus respectivos quartos ou escritório e ficam batendo papo virtualmente.

walsodom disse...

Enio, em primeiro lugar quero aprabenizá-lo pelo Blog.
Infelizmente, a geração do século XXI está a cada perdendo o interesse em visitar bibliotecas para se fazer pesquisas ou até mesmo por curiosidade. Não posso negar que a Tecnologia nos ajuda e muito. Não falo isto apenas para se fazer pesquisar ou esclarecer algo, mas ela nos facilita a vida corrida que temos no dia-a-dia, como pagar uma conta, fazer uma compra, notícias, etc. Porém, não podemos ser escravos dela, temos que ser ponderáveis, por que se continuarmos assim, não teremos mais contatos com pessoas que não sejam da nossa casa. Aliás, isto já acontece em algumas residências, onde pais e filhos se enclausuram nos seus respectivos quartos ou escritório e ficam batendo papo virtualmente.

Anônimo disse...

Enio, parabéns!

Achei muito interessante á matéria, o que nos faz refletir sobre o correto uso dessa ferramenta pra gerar conhecimentos.
Obrigada pelas dicas!

Abraços,
Ivanete Alves
(Pós-Graduação/UNINOVE)

Elizangela disse...

Olá Enio, boa noite!

Meu no me é Elizangela, e gostaria de parabenizá-lo pelo Blog, ele é uma ótima ferramenta para comunicação no (no meu caso, na educação)me deixou cheias de idéia. Imagine criar um blog onde são postadas atualizações e determinações pelos conselhos de saúde nacional, relacionadas as áreas médica, de enfermagem, nutricionistas, estudantes e comunidade. Uma ótima ferramenta de utilidade publica ou privada para seus membros.
Essa facilidade ajuda e muito no nosso dia-a-dia, imagine frente um texto termos um endereço lincado para dar veracidade as informações.
Isso não iria deixar de estimular a leitura.
Por hora é um pensamento, mas quem sabe mais adiante.

Att,

Eli

Eliude disse...

Realmente a tecnologia pode ajudar muito na educação, criar um blog é uma forma expetacular de aproximar alunos a interesses comuns, utilizando as atividades diarias para exemplificar muitas materias escolares que de alguma forma possa ser mais dificil para eles entenderem somente em uma aula expositiva em sala de aula, porém é preciso que o professor domine essa tecnologia, pois o jovem hoje possui uma capacidade muito grande de aprender a aprender a tecnologia muito mais rapido do que muitos professores. Parabéns gostei muito do blog!